Afinal, o que é SCORM?

Treinamento eficiente para
uma performance excelente.

Receba atualizações, artigos e dicas imperdíveis
para ter grandes resultados com o seu treinamento.
(é Grátis)

 


    Seu e-mail está seguro. Você receberá apenas e-mails relevantes ao tema.

    Quem trabalha com treinamento online já deve ter se deparado com o termo SCORM. Se a sua dúvida ainda persiste na cabeça, hoje vamos te ajudar a conhecer melhor esse que é o padrão mais utilizado no ensino a distância.SCORM?

    Origem do padrão SCORM

    No intuito de padronizar os sistemas de edução a distância, o departamento de defesa do governo dos Estados Unidos iniciou uma jornada em meados de 99, junto com a ADL (que é um consórcio entre o governo e o setor privado), para criar uma espécie de conjunto de regras e especificações para definir a forma de comunicação das informações necessárias entre conteúdo e o ambiente de hospedagem. Nasceu assim o SCORM, abreviatura de Shareable Content Object Reference Model (Modelo Referência para Distribuição de Objetos de Conteúdo, numa tradução livre).

    Para explicar de forma mais simples, digamos que o SCORM é o tradutor, na conversa entre o curso e a plataforma de treinamento, sendo este responsável por interpretar os resultados e progresso do aluno no conteúdo e informar para a plataforma estes dados, de forma que ele possa compreender e guardar essas informações.

    Estas regras se tornaram importantíssimas no mundo de hoje, onde temos diversas produtoras de conteúdo, desenvolvendo em linguagens diferentes. O SCORM veio para unificar isso, além de definir alguns objetivos quanto a forma de entrega dos conteúdos.

    Objetivos do SCORM

    O padrão possui 4 objetivos fundamentais, definidos para que além de padronizar a forma de comunicação, também auxilie os conteúdos de forma conceitual, ordenando as informações para que sejam melhor apresentadas.

    1 – Padronização

    Como o nome diz e já explicamos anteriormente, este objetivo é o mais técnico de todos e serve essencialmente para definir as regras de comunicação entre os sistemas que suportarão o mesmo, como conteúdos ou plataformas.

    2 – Reutilização

    Um dos objetivos do padrão SCORM é que ele seja de fácil reutilização em diversos contextos. Com isto os desenvolvedores de conteúdo precisam modularizar seus cursos para que eles possam ser usados facilmente em outras disciplinas.

    Digamos que você tenha desenvolvido um curso sobre Segurança da Informação. Dentre os assuntos abordados, temos um módulo falando sobre o correto uso dos crachás nas dependências da empresa. Este conteúdo também é explicado na integração de novos colaboradores, ou seja, se seguirmos corretamente o objetivo de reutilização do SCORM, podemos usar o mesmo módulo para os dois cursos.

    3 – Flexibilidade

    Com o objetivo de distribuir os conteúdos para diferentes alunos, um pacote SCORM pode ser usado em diversas trilhas de aprendizado, para qualquer um que precise ser treinado.

    4 – Portabilidade

    Como já explicamos anteriormente, quando utilizamos o padrão SCORM temos a possibilidade de estarmos preparados para migrar para outras plataformas, levando nossos conteúdos. Os conteúdos disponibilizados podem ser independentes de plataforma, sendo sempre compatível com o novo ambiente, desde que este também esteja em conformidade com o padrão SCORM.

    Futuro do padrão

    De alguns anos para cá, com o crescente uso de dispositivos móveis como smartphones e tablets, surgiu a demanda de cursos nestes aparelhos, fazendo com que, tanto desenvolvedores de conteúdo como de ambientes tivessem que se adaptar as novas tecnologias. Porém, como os aparelhos são portáteis e podemos leva-los para qualquer lugar, temos um novo desafio pela frente: atender aos usuários quando estiverem sem sinal de internet, totalmente offline.

    Sabemos que o padrão SCORM, precisa de uma conexão com a web para que haja tanto o acesso ao conteúdo, como também a comunicação com o servidor para leitura e gravação dos dados de acesso. Sem essas limitações seria possível captar informações de aprendizado dos alunos das mais diferentes origens. Para isso os parceiros da ADL desenvolveram um novo padrão, o xAPI também chamado de Tincan.

    O valor do padrão está no tamanho da sua adoção. O SCORM é o padrão hoje, e o xAPI tende a ser o padrão de amanhã. A adoção do mesmo está sendo bem mais lenta do que se previa. Vale acompanhar para decidir quando migrar.

    E se você vai começar um projeto novo, deve fazer com xAPI? A resposta é: depende. Muitas ferramentas de autoria permitem publicar em SCORM ou xAPI com um clique. Nesse caso, se você não precisa exatamente dos recursos do xAPI, dê preferencia ao SCORM, que vai oferecer mais alternativas de ferramentas e fornecedores.

    E você? Já conhecia sobre o padrão? Seus cursos estão dentro desta especificação ou sempre que os leva para outro lugar existe uma dor de cabeça? Em caso positivo, entre em contato conosco, pois podemos adaptar facilmente seus conteúdos para o padrão mais usado no mundo.