Podcast no EAD: 6 dicas para inserir o formato no seu projeto de EAD

Treinamento eficiente para
uma performance excelente.

Receba atualizações, artigos e dicas imperdíveis
para ter grandes resultados com o seu treinamento.
(é Grátis)

 


    Seu e-mail está seguro. Você receberá apenas e-mails relevantes ao tema.

    podcast-no-ead

    Por mais que ainda seja considerada uma mídia de nicho, o podcast vem ganhando bastante notoriedade e novos ouvintes no cenário brasileiro. De acordo com a pesquisa da ABPOD, a diversidade de conteúdos e a possibilidade de ouvir quando e onde quiser, são os principais diferenciais que contribuem para o crescimento da audiência. Pensando no cenário do e-learning, tais características podem ser muito positivas para o projeto da organização. E o podcast no EAD pode funcionar como uma excelente ferramenta de aprendizado.

    Confira a seguir alguns benefícios na utilização do podcast no EAD da organização.

    Benefícios de inserir o Podcast no EAD

    1. Contribui para um EAD mais dinâmico

    Multiformatos de conteúdos é um recurso interessante para deixar o EAD mais dinâmico, e o podcast é um ótimo complemento para treinamentos multiformatos. É provável que você já tenha visto por aqui algo sobre blended learning para mesclar treinamento presencial com online. Mas vale ressaltar que o conceito também pode ser utilizado para criar um projeto com a mescla de diferentes tipos de abordagens de conteúdos.

    Mas, voltando ao podcast, alguns tópicos do treinamento podem funcionar muito bem neste formato, como estudos de caso, entrevistas com especialistas e tutoriais simples. Além disso, é um formato de conteúdo bem mais simples e barato de produzir, se comparado com videoaulas e animações de quadro branco. Contudo, ainda que seja um conteúdo menos custoso, não fica devendo em nada no quesito qualidade.

    2. Ouça onde, quando e como quiser

    Pode ser desafiador manter a concentração e o engajamento de um colaborador que passa horas na frente do computador. Porém, como falamos anteriormente, multiformatos são ótimos para o engajamento, pois apresentam uma variação de recursos para apresentar o conteúdo, tornando-o mais interessante e contribuindo para a diminuição do tédio do aluno.

    E aqui o podcast leva isso a outro nível, já que o colaborador pode consumir o conteúdo através do celular (sabia que dá pra acessar o Moodle do celular?) enquanto está no trânsito ou mesmo desempenhando outras tarefas do trabalho. Inclusive de acordo com a pesquisa que citamos acima da Associação Brasileira de Podcaster, entre os entrevistados 92,1% alegaram escutar podcast por meio do celular, 74,6% dos ouvintes alegaram que começaram a optar pelo formato justamente por poderem ouvir quando, como e onde quiserem, e 77% dos entrevistados alegaram que começaram optar pelo formato por ser possível realizar outras tarefas enquanto escutam o podcast.

    Ou seja, o podcast pode ser um formato coringa para integrar o seu projeto, além das vantagens pedagógicas, traz um “ar” mais moderno e atual para o EAD da organização, por ser uma tendência do mercado midiático.

    3. EAD mais humanizado

    O podcast, assim como o vídeo, pode ser também uma ferramenta para humanizar o treinamento. Por ser uma formato em que o principal componente é a voz do locutor, o mesmo pode se utilizar de uma variedade de entonações, velocidades e volumes para construir cenários e, também, transmitir ao ouvinte diferentes emoções.

    Bom, talvez você tenha percebido que quase todos os benefícios que relatamos aqui tem relação com a experiência do colaborador. A ideia era te mostrar como o podcast pode ser mais uma ferramenta para integrar o projeto de treinamento online e contribuir positivamente para o aumento do engajamento dos colaboradores. Sendo assim, confira algumas dicas de como inserir o podcast no EAD da organização.

    Dicas de como inserir o podcast no projeto de ead

    1. Encontre a sua voz

    Primeiro de tudo: encontre a sua voz! Qual será a linguagem utilizada no podcast? Defina se o tom será mais sério ou uma conversa mais descontraída. Além disso, você pretende buscar um locutor profissional ou fazer internamente?

    Caso decida optar por um colaborador que faça parte da organização, vale a pena se fazer algumas perguntas, como: O especialista tem autenticidade, mas o seu colaborador fala bem? Vocês estão alinhados? (Ou, você tem algum controle sobre ele?) Pois, apesar de ser um custo a menos para o seu projeto, às vezes ao usar um locutor interno tem a dificuldade de eles não seguirem o roteiro combinado, justamente por não terem a expertise necessária de profissional.

    Nesse caso, diferente diferente de gravação de videoaulas, que em geral recomendamos usar o especialista da casa, para podcast é mais fácil optar pela contratação de um locutor profissional, que vai saber se preparar melhor para o texto, tem mais experiência com projeção de voz e variedade de entonações. Além disso, aqui fica mais fácil levar o locutor para um estúdio, ou até retornar para uma correção, se necessário. Por esses motivos, em geral, acaba sendo mais fácil e, portanto, recomendado gravar com um profissional.

    2. Dê voz a um especialista

    Convidar um especialista ou um palestrante para participar de um episódio do podcast pode ser excelente para dar legitimidade ao assunto e reforçar algo que já esteja sendo pregado pela organização.

    O convidado, inclusive, não precisa ser necessariamente alguém de fora. Ou seja, o especialista pode ser uma personalidade no assunto ou mesmo um colaborador, gerente de outro departamento ou diretor da organização. Inclusive, no caso de ser alguém da empresa, esse é um fator que contribui para que o colaborador entenda a importância do treinamento, já que todos estão envolvidos no projeto.

    3. Evite a sobrecarga cognitiva

    Vale lembrar que podcast não tem apoio visual e, para temas mais densos, pode ficar mais difícil para o colaborador acompanhar o conteúdo sem dispersar a atenção.

    Por isso, caso o podcast esteja tratando de um conteúdo um pouco mais extenso, recomendamos que o mesmo seja dividido em mais de um episódio, como pílulas de conhecimento. Ou, em todo caso, lembramos que é sempre possível intercalar com outros formatos para o colaborador ter um apoio para organizar as ideias. Quanto mais diversificado for um projeto de EAD, mais interessante será e, consequentemente, maior será também a taxa de engajamento.

    4. Capriche no storytelling

    Já falamos em um outro post sobre os benefícios do Storytelling para o treinamento online. E, no podcast, um bom storytelling é crucial para construir uma comunicação mais atraente e cativante, que pode envolver um enredo que retrate estudos de caso com situações do dia a dia do colaborador, ou situações hipotéticas.

    Um bom storytelling é capaz de estabelecer confiança e até mesmo superar objeções. Portanto, crie um script detalhado, defina o estilo da narrativa e personagens que serão retratadas. Esses são pontos fundamentais para o desenvolvimento de uma história que convença o colaborador a embarcar e a se simpatizar na jornada do herói.

    5. Integre a sua marca

    Se você for terceirizar a sua produção, ou se tem um pouco mais de conhecimento de edição, aqui vale criar uma vinheta com uma breve introdução que poderá ser replicada em todos os episódios, caso tenha mais de um.

    Se sua marca tiver uma característica sonora conhecida, pode ser um ótimo momento para utilizá-la. Caso contrário, citar o nome da organização no início com uma voz adequada, já pode ser o suficiente para dar um toque mais profissional ao seu podcast.

    6. Incentive a interação com o conteúdo do podcast

    Incentive os colaboradores a compartilharem através de comentários nos fóruns suas opiniões e dúvidas enquanto escutam o podcast. Pode ser fundamental para incentivar a troca de experiências e garantir uma maior absorção do conteúdo, além de possibilitar ao gestor um feedback sobre o formato e o conteúdo.

    Construindo o podcast no EAD da organização

    Para ficar claro, diferente da maioria dos podcasts que você verá por aí, o podcast como formato de treinamento não terá uma rotina de episódios. Serão apenas alguns episódios dentro do projeto intercalados, ou não, a outros formatos.

    E a produção, como falamos, é mais simples e menos custosa do que se comparada a uma videoaula. Em resumo, a gravação de um podcast consiste em roteiro, gravação, edição e publicação. Pois, não cabe nesse post uma explicação detalhada sobre a produção de podcast.

    Contudo, é importante frisar que assim como a produção de videoaula, existem inúmeras formas (e níveis de qualidade) de se produzir um episódio de podcast. E como nas produções em vídeo, o primeiro passo é decidir se você fará internamente, com os recursos do escritório, ou se irá terceirizar a produção com uma consultoria de treinamento de uma empresa que já possui know-how no assunto.

    Já teve contato com podcast no EAD ou acha que o formato se encaixa em algum dos seus treinamentos? Compartilhe com a gente a sua experiência nos comentários abaixo!