Videotutorial: O que é e como incluir o formato no EAD da organização

Treinamento eficiente para
uma performance excelente.

Receba atualizações, artigos e dicas imperdíveis
para ter grandes resultados com o seu treinamento.
(é Grátis)

 


    Seu e-mail está seguro. Você receberá apenas e-mails relevantes ao tema.
    videotutorial

    O videotutorial é uma gravação ou captura de tela com teor informativo ou didático e que, normalmente, é guiado por uma locução. O formato é indicado para ser utilizado no treinamento de colaboradores para a navegação e utilização de softwares ou aplicativos de uma forma geral.

    Contudo, chamamos de videotutorial de sistemas uma gravação de tela, acompanhada de locução explicativa sobre a navegação no software. Porém um tutorial de produto, por exemplo, que necessite de um instrutor, se encaixa melhor no conceito de uma videoaula.

    Mas por que optar pelo videotutorial para integrar o EAD?

    Imagina que seu colaborador tivesse que recorrer a você ou ao suporte técnico cada vez que surgisse uma dúvida ao navegar em um software ou aplicativo. Quantas vezes a mesma coisa teria que ser explicada?

    O videotutorial é a melhor solução para simplificar o treinamento a respeito de sistemas e software. E, além de ser o melhor formato para compartilhar esse tipo de conhecimento, o conteúdo pode ficar gravado e armazenado na Plataforma LMS para ser acessado cada vez que surgir uma nova dúvida.

    Ou seja, funciona bem como parte de um treinamento, como uma integração por exemplo, onde novos colaboradores que precisam aprender sobre as ferramentas de trabalho e também como um material de consulta. Já que permite ao colaborador recorrer ao tutorial inúmeras vezes, independente do local que esteja.

    Um outro fator positivo é que um videotutorial permite ao colaborador realizar a técnica de ‘play/pause’ enquanto está consumindo o conteúdo. Imagine que você precise configurar um software com muitos detalhes, se você assistir o videotutorial e depois partir para a prática, é bem possível que algum detalhe se perca. Mas através do “play / pause” o colaborador pode utilizar o videotutorial como seu guia para a tarefa, voltando e pausando sempre que necessário. E assim, diminuindo as chances de erro na execução da atividade.

    Exemplos de aplicação do videotutorial no treinamento da organização

    1. Tutorial básico de tarefas corriqueiras na empresa:

    O videotutorial também é um excelente formato de conteúdo para integrar módulos relacionados ao ERP com tutoriais que explicam como funciona o agendamento de férias, a ferramenta de CRM para vendedores e distribuidores, e por aí vai.

    Além disso, saber aquelas tarefas do dia a dia que você, gestor, tem que explicar inúmeras vezes? Elas também podem virar um videotutorial. Oferecer tutoriais básicos de configuração de impressora, abertura de chamados técnicos, transferência de ligações, atendimento telefônico e etc, pode acabar de uma vez por todas com essas dúvidas. Afinal, o colaborador poderá recorrer ao vídeo sempre que achar necessário.

    Contudo, como falamos anteriormente, em caso de produção, vale ressaltar que a produção de um videotutorial gravação de tela, é totalmente diferente em níveis de custos, ferramentas e prazos, de um tutorial que tenha um “instrutor” apresentado uma situação e explicando um assunto, já que nesse caso o formato atende os requisitos de uma videoaula.

    Enfim, esses são conteúdos interessantes também para fazer parte da integração de novos colaboradores, que precisam realizar uma imersão sobre as ferramentas de trabalho da organização ao ingressarem na equipe.

    2. Demonstração de software

    Como falamos anteriormente, o videotutorial é o melhor formato de conteúdo para treinamentos de sistemas. Sendo assim, se você está precisando treinar seus colaboradores sobre um novo software que será incorporado pela organização, esse é o formato mais indicado.

    Através de uma simples gravação de tela acompanhada de locução, você consegue construir um treinamento eficaz sobre o sistema a ser aprendido.

    3. Para complementar o seu treinamento presencial

    Vamos supor que você é um instrutor de treinamento presencial e irá apresentar uma determinada configuração de um sistema para diferentes grupos. A captura e gravação das telas desse software pode ser utilizada também para compor o seu workshop ou treinamento presencial. Pois a utilização do videotutorial aqui aumentará o impacto da mensagem, se tornando uma ferramenta importante de apoio para contribuir para que a mensagem seja transmitida de forma mais clara possível.

    Afinal, melhor do que apenas escutar o instrutor, é ver a aplicabilidade do que está sendo dito na plataforma ou software, fornecendo ao colaborador um feedback visual do que está sendo dito. E você poderá “voltar” ou “pausar” o vídeo de apoio sempre que necessário ao longo da apresentação.

    Contudo, aqui o formato deve ser utilizado apenas para demonstrar um módulo específico de seu workshop. Pois, caso o treinamento inteiro seja sobre o software em questão, a Líteris não recomenda a utilização do formato de videotutorial para o seu treinamento presencial. Tendo em vista que o treinamento seria muito mais eficiente se os alunos pudessem acompanhar em tempo real a navegação pelo software, inclusive podendo praticar enquanto aprendem.

    Como faço um videotutorial?

    Certo, mas como produzir o videotutorial para a minha organização? O desenvolvimento de um videotutorial de gravação de tela é mais simples do que a produção de outros tipos de vídeos para treinamentos. Isso porque você não precisará contratar um instrutor, câmeras, diárias em um estúdio e etc. O que barateia bastante sua construção, além de ter uma pós-produção bem mais simples já que, normalmente, não precisa de grandes efeitos de edição.

    Confira a seguir 5 dicas para produzir o seu videotutorial de gravação de tela:

    1. Escolha bem o conteúdo para realizar a gravação de tela

    Como falamos, o formato prioriza o compartilhamento de conhecimento para demonstrar procedimentos e para ensinar uso de apps e sistemas de uma forma geral.

    Procure ser objetivo. Deixe comentários e tópicos paralelos para outro material. Um dos motivos é ser mais fácil de consumir na consulta.

    Contudo, no caso de sistemas mais complexos, o ideal é que o tutorial seja dividido em vários vídeos que funcionem como pílulas de aprendizado. Assim, você evita que haja sobrecarga cognitiva do seu colaborador. Já que passar muito tempo assistindo um vídeo super técnico poderá ser bastante desgastante e nada produtivo.

    2. Faça uma gravação de alta qualidade e legível

    Um videotutorial com baixa resolução pode se tornar um desafio no aprendizado do seu colaborador, impactando negativamente na adesão ao treinamento online. Por isso, certifique-se de que a sua captura de tela está com uma boa resolução e utilize o zoom para facilitar a leitura.

    Um erro bastante comum é que a gravação seja realizada na tela inteira. Contudo, o indicado é que a gravação aconteça na janela específica, para evitar que o conteúdo fique muito pequeno e ilegível. E, se o aplicativo permitir, redimensione a tela e utilize o zoom para deixar os objetos principais do tutorial em destaque.

    3. Fale devagar e evite movimentos bruscos com o cursor

    Não adianta tentar correr com o treinamento e jogar muitas informações rapidamente sobre seu colaborador. Lembre-se que menos é mais e sobrecarregá-lo cognitivamente só irá atrapalhar o aprendizado dos alunos.

    Inclusive, se você precisa passar muita teoria, talvez seja uma dica de que aquele treinamento precisa de um conteúdo predecessor. E como já falamos algumas vezes aqui no nosso blog, é importante lembrar que um treinamento é formado, normalmente, pela combinação de diferentes formatos de conteúdo, sendo cada qual mais ou menos indicado para tratar de determinados assuntos.

    Tudo vai depender do conteúdo que vai ser apresentado, dos objetivos do treinamento e, claro, da verba destinada ao projeto. Para traçar tais objetivos, recomendamos sempre a realização do levantamento das necessidades de treinamento.

    Mas voltando ao seu videotutorial, explique calmamente o passo a passo ou o conceito que está sendo mostrado. O ideal é que o colaborador tenha tempo suficiente para digerir a informação que está sendo compartilhada.

    Sendo assim, evite o vício de movimentar o mouse enquanto fala, como se estivesse gesticulando. Sei que pode ser difícil se controlar, mas isso vai impactar muito na qualidade da sua gravação. E faça movimentos mais lentos ao preencher lacunas ou selecionar as opções na ferramenta para que o conteúdo fique o mais claro possível para o colaborador.

    Inclusive ensaiar a sua apresentação é super válido, além de ser uma ótima oportunidade de afinar o discurso. Às vezes achamos que o texto está excelente, mas ao darmos voz à locução, percebemos que algumas informações não fazem tanto sentido, ou mesmo que estão confusas. Sendo assim, sempre ensaie a explicação antes de gravar.

    4. Utilize um bom software de captura e gravação de tela

    Como falamos, a produção de um videotutorial de gravação de tela é mais simples do que outros tipos de conteúdo em vídeo. Porém, a utilização de um bom software será de grande ajuda para a construção de um treinamento de qualidade.

    O aplicativo de gravação que você escolher deve ter recursos de edição que ajudem a atrair a atenção do colaborador para pontos importantes, como setas, balões, marcadores, zoom e possibilidade de colocar pequenos textos explicativos, se achar necessário.

    Alguns exemplos especializados são Camtasia e Storyline, mas existem muitos outros, alguns até mesmo gratuitos. Veja essa extensão Awesome Screenshot & Screen Recorder que, na versão gratuita, oferece gravação de vídeos de até 5 minutos. E uma dica, nas versões mais novas, o PowePoint também permite capturar vídeos de tela (link).

    5. Capriche na Locução

    Por fim, mas não menos importante, tenha cuidado com o áudio do seu videotutorial. Afinal, a locução é parte importante para que o colaborador entenda o conhecimento que está sendo transmitido. E um treinamento com uma locução ruim, pode se tornar desafiador e cansativo para o aluno, trazendo impactos negativos para a adesão ao projeto.

    Sendo assim, é recomendado a utilização de um equipamento razoável para captação do som, que somado a um locutor experiente e capaz de realizar marcações através da entonação da voz, irão proporcionar a dinâmica necessária para o projeto.

    Queremos saber de você

    E aí, já teve alguma experiência com videotutorial? Teve bom resultado? Como foi produzir? Conta pra gente nos comentários abaixo.